Tiradentes

6AF56CB3-C40B-4A0A-92E1-71DC5F78D2B4_edited_edited.png

"Suas antigas denominações foram “Arraial Velho de Santo Antônio”, e “Vila de São José do Rio das Mortes” e cidade de São José del-Rei. O nome São José resulta de homenagens ao então príncipe de Portugal D. José I. A vila de São José resultou do desmembramento da vila de São João del-Rei em 1718. As lavras de São José del-Rei foram descobertas por João de Siqueira Afonso, em 1702, nos primórdios do século XVIII.

     Ao ser proclamada a República, o governo republicano precisava de um herói que, segundo os novos governantes, representava esses ideais. A escolha caiu sobre o alferes Joaquim José da Silva Xavier, que além de tudo combateu um governo monárquico. Dessa feita, foi mudado o nome da cidade para Tiradentes. Tiradentes tornou-se um dos centros históricos da arte barroca mais bem preservados do Brasil, por isso voltou a ter importância, agora turística, na metade do século XX, foi proclamada patrimônio histórico nacional tendo suas casas, lampiões, igrejas, monumentos e demais partes recuperadas.

     Um pequeno vilarejo erguido no início do século XVIII, com a descoberta de ricas lavras de ouro deu origem à cidade de Tiradentes.

     Casarões e igrejas foram erguidas e todo o trabalho artístico financiado por esta abundante riqueza, tornando Tiradentes um pólo minerador da época.

       Hoje, Tiradentes se orgulha de sua história, seu patrimônio, sua arte e principalmente de sua vocação turística, que encanta a todos por sua receptividade."

fd6fb8_8eb171af5c3345d8a2a574f37f9494db_mv2.webp

​Museu Sant'ana



 

 

 

 

 

 

Encontro de arte, história e fé. Assim é o Museu de Sant’Ana, guardião de um acervo extraordinário de imagens que expressam o sentimento artístico e religioso do povo brasileiro. O Museu foi inaugurado no dia 19 de setembro de 2014 e está instalado na antiga Cadeia Pública da cidade de Tiradentes. Abriga 291 imagens de Sant’Ana, a santa protetora dos lares e da família, bem como dos mineradores. 

​Passeio de Maria Fumaça

 

 

 

São 12 km de passeio pela antiga Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM), inaugurada em 1881 por D.Pedro II, passando por fazendas centenárias, rios, serras e estações que preservam a arquitetura do século XIX. A maria-fumaça que liga Tiradentes a São João Del Rei é uma verdadeira raridade, ela é uma das poucas locomotivas a vapor no mundo que ainda rodam em bitola de 76 cm.

Cultura 



 

 

 

 

 

 

A cidade  detém boa parte do patrimônio histórico nacional, sendo considerada uma das cidades centenárias que contêm importantes registros materiais que narram episódios importantes da história do Brasil, além de serem palco para manifestações artísticas. 

​Museu da

Liturgia



 

 

 

 

 

 

O Museu da Liturgia de Tiradentes é o único dedicado ao tema na América Latina e espaço privilegiado para a celebração da intensa devoção religiosa da cidade e de sua região. Com um acervo de mais de 420 peças sacras dos séculos XVIII a XX, completamente restauradas, o Museu conta também com instalações audiovisuais, terminais multimídia e um amplo programa educativo.

​Gastronomia 



 

 

 

 

 

 

O sucesso na arte de cozinhar e a forma espontânea de receber dos mineiros remontam às suas raízes e história. Os pratos originalmente simples das primeiras décadas de povoamento da região das minas foram ganhando, ao longo dos tempos, ingredientes e dicas muito especiais. A deliciosa culinária da Capitania foi evoluindo até ganhar, nos dias atuais, o merecido status de gastronomia mineira - uma das mais ricas, saborosas e apreciadas de todo Brasil.

​Museu Padre Toledo



 

 

 

 

 

 

O solar conhecido historicamente como “Casa do Padre Toledo” é um dos bens culturais mais preciosos construídos no século XVIII em Tiradentes, Minas Gerais. Marco arquitetônico do período de exploração mineral na Vila de São José del-Rei, da antiga Comarca do Rio das Mortes, o solar congrega espaços e tempos diversos de grande importância na vida social, política e cultural.